Dados que salvam vidas nas UTI´s
Por: Redação HOSP - 02/12/2019

Muitos séculos atrás, Sócrates afirmou que “o segredo da mudança é concentrar toda a sua energia não em lutar contra o velho, mas na construção do novo.” Hoje em dia, podemos relacionar sua citação com o conceito de inovação, que é considerado o processo de transformar uma ideia em um bem ou serviço que agrega valor.

A inovação deve satisfazer a uma necessidade específica, envolver uma aplicação deliberada de informação, imaginação e iniciativa, devendo incluir todos os processos pelos quais novas idéias são geradas e convertidas em produtos úteis. Muitos médicos, tendem a assumir avanços incrementais regulares em tecnologia e processos, mas de tempos em tempos inovações disruptivas acontecem.

Embora a inovação implique a aplicação de novas ideias úteis, estas devem abordar o nosso desafio específico: cuidar das necessidades dos pacientes. Novas ideias devem aceitar a fisiopatologia, pelo menos a um certo nível, e visam evitar mais danos. Somos espectadores de um aumento exponencial no conhecimento e enfrentamos situações complexas com pequeno tempo de resposta. Portanto, a tecnologia moderna vem a desempenhar importante papel, proporcionando cuidados críticos com novas ferramentas que atendem a três objetivos principais: melhorar a gestão, tomar melhores decisões e ser mais eficaz no atendimento ao paciente.

Os profissionais de saúde vêm enfrentando as questões: visualização e interpretação das enormes quantidades de dados específicos do paciente em um ambiente extensivamente monitorado. A avaliação contínua do estado respiratório e a otimização das definições do ventilador, um dos pilares de sistemas de monitoração avançados, melhoram nossa compreensão da doença e o efeito de estratégias terapêuticas. Os monitores atuais integram vários parâmetros ao mesmo tempo, fornecendo informações limpas para o usuário.

Neste contexto e a fim de implementar a melhor medicina possível, os sistemas de apoio à decisão clínica como a plataforma “ORCHESTRA” da healthtech Carenet Longevity nasceram para ficar. Em outras palavras, a plataforma “ORCHESTRA” ajuda a abordar os desafios de Big Data e Data Lake em uma era de medicina de precisão dentro e fora do ambiente crônico de alto risco, ajudando as equipes multidisciplinares das unidades de terapia intensiva e clínicos a tomarem decisões de maneira assertiva.

Consiste na aplicação de sistemas informáticos, incluindo um algoritmo que monitora os sinais vitais dos doentes na UTI do hospital, a fim de permitir uma identificação precoce da deterioração, diminuindo a incidência de insuficiência operacional.

Uma enfermeira de UTI perde 2 horas por turno com a captura manual de sinais vitais do paciente. Permite ajudar a valorizar sua equipe, eliminando essa rotina tediosa e aumentando a segurança do paciente.



Citamos abaixo alguns benefícios para uma medicina transformacional e inovadora:



  • Tempo - Redução do tempo de coleta de dados nos leitos de 2 horas por turno para ZERO

  • Erro humano - Redução da probabilidade de erros por fator humano na anotação e escrita dos dados de 2% para ZERO

  • Automação - Configuração de coleta e armazenamento de sinais vitais no prontuário de forma automática e flexível

  • Cloud - Armazenamento em nuvem dos sinais vitais para posterior uso em ferramentas de BI e recuperação de histórico

  • Alarmes - Configuração de Presets para alarmes de sinais vitais de acordo com histórico do paciente

Paperless - Eliminação de anotações em papel para acompanhamento e registro das condições do paciente (HIMSS7)

  • Personalização - Geração de alarmes e armazenamento no prontuário em função de condições pré-definidas pelo intensivista

  • Rastreabilidade - Registro de eventos do sistema na interação com paciente de maneira rápida, automática e supervisionada

  • Predição - Possibilidade de uso dos dados para análise preditiva do comportamento do paciente durante e após a internação

A plataforma “ORCHESTRA” fornece uma integração de todos os equipamentos da UTI, visualização dos sinais vitais num único dashboard inteligente e digital em nuvem com funcionalidades de monitoramento, processamento e filtragem de dados, antes de alimentar o prontuário digital do hospital.

Sendo assim, a internet das coisas médicas (IoMT) como tecnologia exponencial é um grande divisor de águas na eficácia em orquestrar dados e salvar vidas nas integrações de UTIs.

Fernando Paiva é Vice President of Customer Success & Digital Sales Transformation & Marketing da Carenet Longevity

Publicidade:
Últimas Noticias
30/12/2019
02/12/2019
02/12/2019
02/12/2019