Novembro Azul: câncer de próstata é o 2º mais nocivo para homens
Por: CDN Comunicação - 13/11/2017

Fatores de riscos devem ser observados para que seja realizado o diagnóstico precoce que aumenta as chances de cura

 

Na próxima sexta-feira, 17 de novembro, é o Dia Mundial de Combate ao Câncer da Próstata, e o mês todo também é remetido a sua conscientização. A enfermidade é considerada a segunda mais fatal em indivíduos do sexo masculino, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma, de acordo com pesquisas e especialistas da área oncológica. Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimam que entre 2016 e 2017 surgiram cerca de 61.200 novos casos em todo o País.

Segundo João Neiva, médico oncologista do Hapvida Saúde, no estágio inicial a patologia não apresenta indícios e os fatores de riscos podem aumentar a possibilidade de ocorrência. “O câncer de próstata está diretamente relacionado ao envelhecimento do homem e a alguns fatores como a hereditariedade com parentes de 1º grau que desenvolveram a doença. Dentre os sintomas mais comuns, estão à dificuldade para iniciar ou finalizar a urina, gotejamento após o término da urina e redução da força do jato urinário”, explica Neiva.

No início do tratamento, são analisados o estágio em que doença se encontra, se o paciente possui doenças sistêmicas e as contraindicações a determinado procedimento escolhido para tratar a enfermidade. O tratamento pode ser feito com cirurgia, radioterapia ou quimioterapia – para destruir ou inibir o crescimento de células cancerosas que formam o tumor –, embora, em alguns quadros, os métodos podem ser combinados.

Os casos de pacientes com alto risco do reaparecimento do câncer ou nos quais o tumor não está restrito à próstata são caracterizados como fase avançada ou metastática. Em função disso, recomenda-se a utilização do bloqueio hormonal, cujo intuito é bloquear a produção de testosterona (hormônio masculino), que intensifica o crescimento do tumor, interrompendo as células tumorais.

Conforme explica o oncologista, a prevenção torna-se o melhor remédio e aumenta a probabilidade de cura. Manter hábitos saudáveis, praticar atividades físicas, evitar obesidade, não fumar, consumir alimentos mais saudáveis e menos condimentos ou industrializados são orientações importantes para evitar alterações no estado de saúde. “Estas medidas básicas previnem a grande maioria das doenças mais predominantes e que causam mais mortes na nossa ‘era moderna’, como, por exemplo, a hipertensão, diabetes, problemas cardíacos, infarto e AVC, além de oferecer às pessoas uma melhor qualidade de vida”, conclui Neiva.

Sobre o Hapvida - Com 3,8 milhões de beneficiários, além de terceira maior operadora do País, o Hapvida hoje se posiciona como a maior do Norte e Nordeste. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente, com mais de 17 mil colaboradores diretos envolvidos na operação de 24 hospitais, 73 clínicas médicas, 18 unidades de prontos atendimentos, 71 unidades de diagnóstico por imagem e 66 postos de coleta laboratorial distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria.

Publicidade:
Últimas Noticias
30/11/2017
17/11/2017
17/11/2017
17/11/2017