Sepse - Infecção que leva a 6 milhões de vitimas fatais por ano
Por: Agência Girassol - 15/04/2019

SEPSE, A VILÃ DOS HOSPITAIS


Essa doença grave tornou-se uma das principais causas de morte dentro dos hospitais superando o infarto e o Acidente Vascular Cerebral

 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 31 milhões de casos de sepse são diagnosticados por ano, com 6 milhões de vítimas fatais. Entre os casos de sepse em crianças, a mortalidade fica entre 20 a 25% dos casos. Essa infecção grave que atinge múltiplos órgãos precisa ser diagnosticada rapidamente já que tem se tornado uma das principais causas de morte dentro dos hospitais brasileiros, superando o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC).

Apesar de ser pouco divulgada, a sepse é uma doença grave que pode acometer vários órgãos de uma única vez. Ela se dá através de uma infecção, ou seja, quando existe um desequilíbrio entre as defesas do organismo. O grande problema é que seus sintomas são inespecíficos tais como febre, aceleração do batimento cardíaco, movimentos respiratórios mais rápidos, pele fria e úmida, alteração de nível de consciência, entre outros sintomas que variam de acordo com o órgão que estiver mais acometido pela infecção.

“Para um diagnóstico rápido e preciso temos que observar os sinais e os sintomas como pressão arterial, redução da quantidade de urina, falta de ar, sonolência excessiva ou confusão mental; além de alterações em exames de laboratório e de imagem” – resume a infectologista do Hospital Dom Alvarenga, Dra. Ana Moura.

Importante ressaltar que qualquer doença infecciosa, como por exemplo a meningite e a gripe, quando não tratadas adequadamente, podem ter complicações e evoluir como sepse. “O tempo para desenvolver a sepse depende de muitos fatores, como idade (crianças de até 1 ano de e idosos são mais vulneráveis), outras doenças associadas (como diabetes, câncer, HIV) e pessoas com alterações de imunidade. A principal complicação é o alto índice de mortalidade, cuja principal razão é o atraso no diagnóstico e no tratamento adequado” – pontua.

Para reverter esse quadro, o ponto chave para o tratamento é a rápida identificação da sepse, com início de antibiótico nas primeiras horas, além da correção de outros sinais e sintomas associados, como hidratação para regularizar a pressão arterial, terapia com oxigênio em casos de desconforto respiratório.

Sobre o Hospital Dom Alvarenga

Situado no bairro do Ipiranga em São Paulo, possui 87 anos de história. Atua em casos de alta e média complexidade oferecendo ao paciente uma estrutura completa com pronto atendimento 24 horas, internação, centro cirúrgico, ambulatório, day clinic e centro de diagnósticos, contemplando exames laboratoriais, de imagem e hemodinâmica. Conta com 806 colaboradores e 1.100 médicos, atendendo 44 especialidades ambulatoriais e 51 nos serviços internos, destacando Cardiologia, Neurologia, Ortopedia, Urologia e Cirurgia Geral. Dispõe de 157 leitos, sendo 30 de UTI. O Dom Alvarenga possui a certificação de qualidade Acreditado Pleno pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Suas quase nove décadas de existência reforçam o seu compromisso com a saúde da população de São Paulo. Acesse: www.alvarenga.org.br, Facebook, Instagram e LinkedIn: Hospital Dom Alvarenga

Publicidade:
Últimas Noticias
30/06/2019
18/06/2019
18/06/2019
18/06/2019